Depois da água

TELMA SCHERER
120 páginas, 2014
ISBN 978-85-60716-10-4
Fotografias  de Telma Scherer

Telma Scherer é professora universitária (UFSC) e foi professora-colaboradora de pintura no CEART - Centro de Artes da UDESC. Licenciada e bacharela em Filosofia (UFRGS); graduada em Artes Visuais (UDESC); mestra em Literatura Comparada (UFRGS), doutora em Teoria Literária (UFSC/Universidade do Porto) e pós-doutoranda em Artes Visuais/Processos Artísticos Contemporâneos  (UDESC). Publicou os livros de poemas “Desconjunto” (IEL/RS, 2002) e “Rumor da casa” (7 Letras, 2008) e organizou “Entrevistas, Ricardo Aleixo” (Azougue, 2018).

Vive em Florianópolis, Santa Catarina.   

Um poema de Depois da água

Ter um tronco na cabeça     um rombo

                               um olho

  Ter um troço na cabeça

              um troco    um espaço destroçado.

Ter um osso na cabeça                  um oco

                            ter uma dúvida ao lado.

Ter um filme rodando na cabeça

  um fim      um fundo

                      um falso mundo moribundo.

 Ter laços trocados entre a cabeça e o abraço.

                                                      Ter braços na cabeça

           ter nasgos de fundos-musgos

                          nacos de lusco-fusco e ter

               fuscas na cabeça  fornicações  migalhas

                   ações    e     maravalhas             e estrias

Ter mais-valias na cabeça

                          ter tantos        e tão tontos

                          e poucos migalhos.

          Ter alhos na cabeça                 e cruzes de cabeçalhos

Ter cacarecos e bugalhos         e búzios e espantalhos

                                   e espasmos de exasperações.

Ter modelos de ações na cabeça

                                                         e títulos e ovários

                                ter otários na cabeça

      e altos salários e concursos e minúsculos de músculos

                         entesados.

Ter tesões na cabeça       testões arremessados

                 para o outro lado         Ter baralhos na cabeça

                             embaralhados barulhados

                             embrulhados e burlados.

Ter buracos na cabeça        nacos de nadas

                 tostões e namoradas   Ter nados       lodos

                                   nenhuns e nuvens.

Ter nuvens na cabeça       que passam

                              ter passados          Ter passos na cabeça

           passadas em calçadas              Ter jogos de sapatas

Ter trapaças     ter traças na cabeça          e braças

                              Ter um ás e um és

                Ter is e vis-a-vis      à vista da cabeça

  Ter vastos vestígios de martírios.

E ter mares na cabeça    e bulevares de piratas

                          e baratas e baratas

                                        e belvederes de onde se pode ver o que

           se ouve e se Ave  só dentro da cabeça.

© 2018,  Editora Nave